Parceiros

Enfermeira Érica Barroco

COREN 211.336 – PR

Image
  • Graduada em enfermagem
  • Especialista em Urgência e Emergência
  • Especialista em UTI neonatal e pediátrica
    Serviços:
  • Acolhimento materno infantil, familiares e babás
  • Aux. Amamentação (Manejo, ordenha)
  • Laserterapia (Mamilares e feridas operatórias)
  • Orientações sobre cuidados básicos com o bebê
    (Banho, ofurô, higiene nas trocas de fraldas, higiene
    do coto umbilical) na gestação e puerpério.
  • Primeiro banho do bebê no domicílio
    Shantala
  • Primeiro Brinquinho

Auxilio Psicológico

Image

A gravidez é um momento muito especial, mas também envolve grandes mudanças, tanto biológicas como também emocionais.

Se por um lado o casal vive a emoção de realizar um sonho e de se preparar para a chegada tão desejada do bebê, há também a apreensão para que dê tudo certo, o medo de ser uma boa mãe ou um bom pai.

Para auxiliar a enfrentar esse tipos de insegurança, que são extremamente comuns durante a gestação, é que é importante contar com um acompanhamento psicológico. Ter um profissional preparado para sanar suas dúvidas e auxiliar com que esse período seja mais tranquilo pode fazer toda a diferença.

Preparação parental
“Será que vou ser uma boa mãe?”, “Estou preparado para ser pai?”, “O que fazer para que meu filho se sinta amado?” essas e muitas outras questões surgem na mente de todos os pais. Seria incomum se não surgissem, afinal a gravidez significa não só aumentar a família, mas assumir novos papeis.

Ninguém tem um manual de como ser uma boa mãe ou como ser um bom pai, seria incrível se algo assim existisse, não é? O psicólogo, entretanto, tem uma visão diferenciada que irá te ajudar a lidar com essas ansiedades. Ele apontará outras perspectivas que talvez você não conseguiria perceber, por causa do medo e da ansiedade.

Ser um bom pai e uma boa mãe significa procurar ajuda e estar aberto para aprender sempre. Preocupar-se com a sua saúde mental é muito importante, pois o casal precisa estar saudável emocionalmente para receber bem a criança.

Medo do parto e da saúde do bebê
Além da apreensão sobre serem bons pais, o casal também se depara muitas vezes com o medo do bebê nascer saudável e, no caso das mães, de como será o parto. É preciso ficar atento até que ponto essas preocupações estão dentro do normal, para não deixar com que elas tomem grandes proporções e se tornem paralisantes.

Dúvidas sobre a saúde do bebê surgirão. O sentimento de alívio ao ouvir o médico dizer que a gravidez está ocorrendo sem nenhum problema, depois de um ultrassom, é maravilhoso. Entretanto, querer fazer um ultrassom todos os dias e não conseguir realizar as atividades do cotidiano por medo não é normal e não deve ser tratado como tal.

O mesmo vale para o medo do parto. Tire todas as suas dúvidas com o obstetra, mesmo que pareçam bobas e converse com o psicólogo sobre isso. Fale com o seu parceiro também, o qual também pode contar com o psicólogo para aprender como oferecer apoio emocional nesse momento.

Sexualidade e manter a identidade como casal
O psicólogo também pode ajudar a mostrar para o casal a importância de que eles não deixem o papel de pais colocar de lado a sua relação afetiva como casal.

Fazer sexo durante a gravidez não prejudica o bebê, mas isso muitas vezes se torna uma questão para alguns casais. O parceiro pode ajudar a mulher entendendo como as mudanças hormonais afetam a libido e de que maneira ele pode ajudá-la.

É necessário entender que nem durante a gravidez ou com o nascimento do bebê, deixa-se de ser marido e mulher para tornar-se mãe e pai, mas que essas papeis coexistem.

O acompanhamento psicológico permite encontrar um equilibro nessas questões e também a eliminar o sentimento de culpa, que muitas vezes surge na mãe. Ela acha que não pode pensar em si mesma, por exemplo.

Depressão pós-parto

Cerca de 14 a 23% das mulheres demonstram sintomas de depressão durante a gravidez, de acordo com Congresso Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG). Se esse quadro não for tratado durante a gestação, ele pode se desenvolver no que conhecemos como depressão pós-parto.

A gravidez é muito romantizada pela mídia e com isso as mães se sentem culpadas quando se deparam com os sentimentos de medo e insegurança, que citamos acima. Eles acabam sendo reprimidos por vergonha, preocupação de serem julgadas e até acusadas de não amarem seus bebês.

Entender que a gravidez não é um “mar de rosas” é imprescindível para não se culpar e assim evitar o risco de uma depressão pós-parto, por exemplo.

Abrir chat
1
Olá,
Em que posso ajudar?